Blog da Perestroika

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

PRESSA E VELOCIDADE

O último comentário no post anterior foi da nossa aluna Gabriela Oliveira. Ela disse "eu acho que este blog está mudando... não tem mais atualizações. :("

E é engraçado porque eu mesmo já tinha acessado o blog algumas vezes e estava meio ansioso com o novo post que deveria estar para nascer. Mas daí, me dei conta que estávamos há apenas um dia sem post novo, o que na real nem é tanto tempo assim.

Só que na minha percepção, na da Gabriela, e provavelmente na de mais gente, parecia que já estava velho. Desatualizado. É a tal da pressa, dessa questão que aparece em tudo o que é pesquisa de comportamento e de tendências de consumo. Como a gente quer informação cada vez mais rápida, cada vez mais instantânea, cada vez mais tudo ao mesmo tempo. De preferência, agora. A tal da snack-culture. O tal do mash-up.

(Vejam só como esse negócio de mash-ups musicais. Ouvi numa festa um mash-up de Paradise City com ABC. É ouvir Guns n' Roses e Jacskon Five ao mesmo tempo. E é muito afudê por sinal.)



De certa forma essa pressa acaba se refletindo muito na nossa vida profissional. Prazos apertadíssimos, clientes que querem resolução de um briefing para ontem, diretores de criação que querem que seus estagiários de 19 anos já sejam criadores mais maduros. Pior: estagiários de 19 anos já se julgando criador maduro, querendo fazer leilão entre agências, coelhar trabalhos, achar que todos atendimentos e clientes são caretas, que não entendem o vanguardismo das suas propostas.

Não falo do alto da minha experiência, porque ainda não cheguei lá. Mas já tenho 30 anos e só com isso já consigo saber que tem coisas que só vem com o tempo. Que não tem como amadurecer mais rápido. Como o tempo necessário para aprender a lidar com as frustrações da vida profissional de modo igualmente profissional, sabendo o que significa ter jogo de cintura e diplomacia. É saber que daqui a pouco o teu salário vai aumentar. Que uma nova oportunidade vai aparecer em pouco tempo. Que às vezes um trabalho não vai ficar tão bom.

E também, é saber que existe um tempo para a idéia chegar, amadurecer e se confirmar como uma idéia boa mesmo. Por isso, hoje em dia, quando eu pego um briefing, não fico arrancando os cabelos se não surje uma idéia logo na primeira hora de brain. Às vezes, isso acontece. Mas muitas vezes, são dias e dias de conversa, discussões, insights, passos para trás e trcandas, muitas trancadas. Mas ela chega.

Leva tempo para quebrar a matrix.

É como a hora certa de dar o primeiro beijo numa mina. Tem que ter o timming. Se quiser acelerar, é capaz de não rolar. Tem que criar o climinha, estabelecer alguns contatos e química antes de fazer o primeiro movimento de chegar. Mas também não poder demorar muito, porque se também se perde a oportunidade.

Agilidade na hora certa. Porque há de se ser rápido. Mas talvez não com tanta pressa.

12 comentários:

Anônimo disse...

Internet é um vício. Eu sempre entro mais uma vez.
Pra ver se o Grêmio contratou. Ver o blog da Perestroika, os novos comentários dos posts.

Como o jornalista está sedento pelos fatos, nós estamos pelas notícias. Pelas novidades.

Tá tudo muito fácil porque nós temos as ferramentas.

LM

Anônimo disse...

Bom texto.

E a maturidade também te dá outra coisa. Saber que, muitas vezes, também daremos passos para trás. Que erramos. E nessas horas, tavez, a paciência seja mais importante. Tu dá um passo para trás e dois para a frente.

Abraço

perestroika disse...

A pressa é inimiga da perfeição.
Uma vez ouvi uma frase que guardei para o resto da vida e sempre uso na agência quando preciso por causa dos prazos. "A pressa passa e a merda fica."
90% da vezes funciona.

rafa

Anônimo disse...

Afude.

Guile Grossi disse...

bem afude.

e viva os 19 anos.

Guile Grossi disse...

Compre batom.

gabe disse...

é que é assinhó:
Ele pareceu desatualizado porque nós todos fomos mal-acostumados de ter post(s) novinhos todos os dias. Desde a sua criação, raríssimas vezes ele ficou um dia sem nada. Viramos leitores mimados que querem todo dia uma novidade do perestroika. De repente, se ele fosse atualizado 1 vez por semana, eu não teria tido a sensação de "tá faltando algo novo aqui".

E a ansiedade é onipresente. Aqui na integração de novos colaboradores, era para dizer um ponto forte e outro fraco. TODOS falaram ansiedade como ponto fraco, e concluíram que é um mal comum nas agências de pp, é um vício, porque às vezes nem é pra tanto.

Uh, fiz um post quase.

gabe disse...

E é necessário maturidade para admitir que é imaturo.

leticia disse...

eu não poderia concordar mais com o final deste post, hahahaha...

quanto ao mash up, achei beeem legal, a sincronia perfeita me lembrou o mágico de oz e o pink floyd, hihihihihi...

p.s.: a versão ao vivo de paradise city, com o coral gospel no refrão, é uma das minhas músicas favoritas.

Maurício Antunes - epa!! disse...

post muito afude!

Anônimo disse...

Slash é o cara!

Marcelo Allende

Anônimo disse...

Divide & Kreate - Illiterate City