Blog da Perestroika

quinta-feira, 22 de maio de 2008

Vovô garoto.



Fui ver o novo Indiana Jones. Como sempre tenho boa intenção com os caras bem intencionados, gostei. Mas não gostei-gostei. Gostei.

Vi dois grandes problemas no filme. O primeiro são as mentiras escandalosas.

Convenhamos: todo filme de ação tem mentiras. E as mentirinhas a gente faz vista grossa, né? Pô, é um filme de ação. Daí você não tem nem tempo de olhar torto. Faz de conta que o mundo é assim mesmo e continua vendo o filme numa boa.

O que eu fico puto é com as mentiras escancaradas. Porque elas nos trazem de volta para a realidade. Você olha um lance estrondosamente absurdo e exclama "Ah, pára!". Aí, eu, que estava lá no meio de uma tumba sagrada, acordo do encantamento e volto para a minha cadeira do Arteplex.

Aí não dá.

Me desculpem o George Lucas e o Spielberg, mas dessa vez eles exageraram.

A segunda coisa que eu não curti - e aí talvez seja um pouco de romantismo meu - são os efeitos especiais em excesso. Eu adorava a época em que eles os filmes iam até o limite do analógico.

Não é do caralho saber que eles realmente botaram uma puta bola gigante correndo atrás de um dublê? Eu acho isso fantástico. Muito mais legal que filmar tudo em fundo verde e depois colocar um bolão digital.

E por isso que eu gostei tanto da primeira parte do filme. As cenas de perseguição são hiperbem ensaiadas. Até o meio, eu estava empolgadíssimo, achando que estava prestes a ver o melhor capítulo da série. Até as mentiras escancaradas eu tinha abstraído.

Mas sabe como é. Um filme de Hollywood sem computador é quase tão difícil quanto pasta de estagiário sem anúncio de camisinha.

(Falando em primeira parte: quem vir o filme, sugiro que preste atenção numa cena lá do início, onde o Indy cai num lance bem veloz. Aquela função toda vai virar brinquedo da Disney certo.)


Raiders of the Lost Arc: o melhor de todos.

Mas assim, também não vou ser chato. As piadas que imortalizaram o Indiana Jones estão lá. As cenas de ação divertidas estão lá. E todo aquele clima de mistério e suspense continua firme. O dublê do Harrison Ford engana bem. Até dá pra imaginar que um cara naquela idade poderia fazer todos os movimentos que ele faz.

Curti muito o tema que desencadea a história logo no início. É um assunto que muita gente (como eu) tem curiosidade, e que é cercado de mistério e versões desencontradas. Perfeito para um Indiana Jones e para um universo cheio de perguntas sem respostas.

E a trilha? É tão legal ouvir aquelas cornetinhas no cinema, e não no DVD. Tã, tã, tã, tãããããã, tã, tã, tãããããã.

***

Agora, o mais legal de tudo, foi ver um gordinho na fila, todo vestido de Indiana Jones. Valeu o ingresso antes mesmo de entrar na sala.

4 comentários:

! \< & disse...

bah. Acabei de voltar do cinema tbm, e tive as mesmas impressões. Só não vi o gordinho na fila...

Anônimo disse...

LucasFilms euahaeuha achei que era um filmeco de um aluno... aeuhaeuhae

Marcelo Jung disse...

Cara, não vi Indiana Jones ainda.
Mas fui ver Speed Racer.

Analógico ali, não tem nada.
É efeito atrás de efeito.

Sai tonto...

Maurício Antunes - epa!! disse...

Ainda nao vi tbm, mas mentiras escancaradas fazem parte, indiana sempre foi sessão da tarde.

Speed é fanfarra.

abs