Blog da Perestroika

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Circuits of cool

A MTV internacional acabou de fazer um grande estudo sobre o jovem e a tecnologia. Tem coisas bem legais e mais uma vez a galera da Perestroika pode conferir o resultado em primeira mão.

Se antes, ao pensar no jovem (sim, vocês, alunos), necessariamente se falava e discutia música, moda, tênis, hoje o assunto na mesa de reuniões das corporações capitalistas mais perversas, nas discussões estratégicas, o que se questiona é o uso que o jovem está fazendo da tecnologia e o impacto em suas vidas. Palavras estranhas para eles, como My Space, You Tube, blog, iPod entram na roda. E é deste lugar que se tiram conclusões geniais, como a de que o jovem não assiste mais TV.

BULLSHIT.

Então como a galera, de fato, tá vendo tudo isso? Bom, era exatamente essa a proposta do estudo.

A resposta é óbvia e possivelmente jamais seria apontada por um senhor de sessenta e poucos anos que acaba de sair de uma reunião onde foi apresentado o resultado financeiro da empresa do mês.

Pois bem, vocês (jovens entre 14 –não é o caso- até 24 anos –agora sim) não amam ou odeiam, vocês simplesmente NÃO percebem a tecnologia . Assim como eu, tiozão, não percebo a geladeira. A TV a cores. O Genius. Eu vim ao mundo e os alimentos já eram guardados na cozinha e se mantinham resfriados dentro de uma caixa retangular, pesada e que, se fosse Frigidaire e tu fosse abrir molhado, dava um baita choque. Pra minha vó, aquilo era tecnologia. Pra mim, geladeira.

Tipo, o Blackberry é, para mim, o que a TV a cores ou depois a primeira transmissão ao vivo foi para o meu pai. Uma novidade percebida. E é quando chamamos isso de tecnologia e não pelo nome.

E o Genius. Bom, eu até chamo pelo nome, mas até hoje não entendo muito bem pra que serve.

O resultado completo a gente pode mostrar em aula, se vocês quiserem. Abaixo, alguns tópicos e conclusões. Algumas mais percebidas, outras bem bacanas. Ah: a pesquisa foi feita com mais de 18.000 jovens, de 16 países. No Brasil, só jovens das classes A e B foram ouvidos).

- Em função da tecnologia, o jovem está mais indoor.

- Os jovens de todo o Mundo (literalmente) estão mais parecidos, pois têm acesso à mesma mídia.

- A forma de relacionamento com os amigos mudou. Hoje o jovem tem mais amigos. E amizades mais profundas. Dizem que conseguem falar coisas pelo IM que não diriam olhando no olho. Conversam mais.

- Os amigos agora são os canais de comunicação mais relevantes, mais cativantes e os mais disponíveis para um profissional de marketing. Os amigos, assim como as marcas, possuem o poder de conferir credibilidade a um produto

- Os brasileiros têm, em média, 94 amigos (a média mundial é 53). 6 íntimos, 40 amigos e 48 amigos online, que ele raramente ou nunca encontra pessoalmente (potencial de buzz pela internet bizarra, certo?!).

- O perfil de uso da web pela galera: a maioria é “observador” (só assiste) e “promotor” (assiste e repassa). O jovem de hoje não é mais criativo, o que acontece é que tem mais visibilidade.

- A TV continua sendo uma das opções favoritas. O Brasil é o país que mais tem TVs no quarto no mundo! É uma das únicas atividades que até o jovem pára pra fazer, e relaxa, se abre. Fica passivo (sem segundas interpretações.).

- Adoram comerciais de 30’’. Pra eles é um baita tempo, dá pra contar tranquilamente uma história. E, se for bacana MEEESMO, ele ainda vai colocar no YouTube e repassar pra galera. Claro, vai conferir status pra ele (é a glória de uma marca, depois disso, o cara pode se aposentar).

- 58% prefere mais os comerciais de 30’’ do que a programação da TV.

- Os jovens são mais impactados pela propaganda na TV do que na internet. A TV, para o jovem, é a oportunidade de conhecer aquilo que eles não estão buscando. Além disso, o meio confere mais credibilidade.

- O jovem não mudou. Hoje, o que eles têm mais são ferramentas.

- O sucesso de uma tecnologia depende do uso/necessidade (olha a geladeira e o Genius, quem existe até hoje?). Sendo que o conceito de necessidade ainda depende claramente de sexo, idade e local.

- O jovem tem desejo de estar sempre conectado. Quase metade (na pesquisa tem o número exato), quando acorda, a primeira coisa que faz é olhar o celular. E antes de dormir, a mesma coisa. Mais da metade, quando entra na internet, a primeira coisa que faz é acessar o IM e email.

- A tecnologia simplificou, sim, o mundo para o jovem. Ele reconhece.

- Música mais importante do que nunca. Ele só consome, gasta, em ocasiões especiais: um CD com edição limitada, um CD que goste de TODAS as músicas, um ingresso para show, um DVD ao vivo. Mas a experimentação se dá pela web. A grana só vem para o que vou simplificar chamando de experienciação.

Os dados são estes.

Eu acho TV punk. Adorei ver isso no resultado da pesquisa. Adorava criar filmes. Uma grande idéia, bem executada pra caramba, com grana pesada de produção, é muito forte. Mexe com vários sentidos. Não é por nada que o cinema é o CINEMA. E com a audiência que a TV tem no Brasil, olha meu, é difícil de bater falando em estratégia de marketing para alto volume de vendas.

E é claro que se o filme for bom pra TV ele tb vai ser bom pro YouTube. E vai ficar mais forte quanto um amigo passar pro outro, que passar pro outro. Mas até isso a TV potencializa. Ela espalha o chumbo. São mihões de pessoas que vão ver o comercial, basta um decidir colocar na internet e tudo pode acontecer por ali tb.

Isso se a idéia não tiver rendido mais ações. Porque um mais um em marketing sempre é mais do que dois.



Ah, ah, falando em tecnologia: quem vai ganhar o iPod?

13 comentários:

perestroika disse...

excelente.

Rech disse...

Melhor post do blog. :)

Anônimo disse...

pra quem não sabe, quando ele perguntou "quem vai ganhar o Ipod" é pq o meu tema de idéias visuais, pra Compumac, vai dar um Ipod para o vencedor.

lucas disse...

Botei fé nesse post.

Clarissa disse...

bah ipod como prêmio de tema!
quem ganhar o boris yeltsin leva um macbook pro então! hehe
=]

Maurício Antunes - epa!! disse...

Perfeito!

Quero mais! Vai ter mais?

:D

principessa disse...

ótimo post.

Anônimo disse...

Ah, ah, sou eu.

(resposta a pergunta final)

Marcelo Jung disse...

"O jovem não mudou.
Hoje, o que eles têm mais são ferramentas".

Esta parte do texto diz tudo.

Eu ainda me lembro de, quando crianca, passar tardes inteiras na biblioteca da escola pra fazer um simples trabalho.
Hoje, pssssssssssssss...
Se a gente for parar pra pensar, eh realmente incrivel a velocidade com que a tecnologia evolui e consegue nos aproximar de todos os tipos de informacoes.

perestroika disse...

neste semestre, não vai ter mais nada. mas no módulo II...

Jonão disse...

que post do caralho!

Nataniel Kuhn Vanzetta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nataniel Kuhn Vanzetta disse...

do kct.

e, aliás, quero um ipod. posso dar uma de penetra e apresentar alguma coisa?