Blog da Perestroika

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Tropa de Elite x Cidade de Deus

Encarei uma sessão lotada. Tive que sentar na primeira fileira. Tudo para suprir a minha curiosidade. Afinal, duas pessoas tinham dito que Tropa de Elite era melhor que Cidade de Deus. Até o ranking do IMDB (imdb.com), que sempre faço questão de consultar, confirmava isso. E quando você considera Cidade de Deus um dos melhores filmes da história, a expectativa passa a ser das maiores.

Não vejo novelas, acho que a trama demora muito a se desenrolar. Por isso, não tive a oportunidade de acompanhar a grande atuação do Wagner Moura como o vilão Olavo, sucesso de público e crítica, responsável pelo recorde de audiência da Globo em 2007.



Mas não tenho medo de afirmar que, como Capitão Nascimento, ele está muito melhor. É daquelas personagens que valem o ingresso. Entretanto, não é suficiente para alçar Tropa de Elite ao patamar da obra-prima de Fernando Meirelles. É só fazer uma rápida análise da parte técnica (direção, fotografia, roteiro, edição, figurino, trilha) pra ver que Cidade de Deus é de outra turma. Pra falar bem a verdade, nem achei Tropa de Elite grande coisa - mas essa é só a minha opinião.



Partindo desse pressuposto, a pergunta que me fiz foi: como o filme conseguiu um buzz tão positivo?

Alguns dizem que foi casualidade, outros que foi planejado. Mas o vazamento, que desencadeou mais de mais de 3 milhões de cópias piratas, agiu como um legítimo viral. E aí, nascia a melhor propaganda que um longa metragem pode ter: o boca-a-boca. Ou você acha que alguém que se presta a baixar o filme e assisti-lo antes da estréia vai ficar quietinho depois? Claro que não: ele vai contar para todo mundo que já viu. E que gostou.



Explico.

Sempre defendi a tese que as pessoas normalmente elogiam aquilo que conhecem com antecedência. Quem viaja a um país exótico, costuma falar bem. Quem é convidado para a inauguração de uma nova balada, geralmente paga-pau. E até numa exibição de filmes publicitários, quando alguém já viu o comercial que está passando no telão, fala "Ah, esse é muito bom!". Repare.

Isso faz parte da essência humana. Se você tem acesso a algo restrito, é natural que valorize. Voltando ao exemplo da balada: se você foi convidado para a inauguração do lugar, e diz "fui e o pico é muito a fudê", você é um privilegiado. Agora, se você responder "tava uma merda", passa por trouxa.

Acho que está aí o fenômeno Tropa de Elite. Um grande case de comunicação. Que até pode ter sido sem-querer-querendo. Mas eu, desconfiado do jeito que sou, acho que os movimentos foram friamente calculados.

*****

E você, concorda? Também acha que foi tudo planejado? Gostou do filme? Quem é melhor? Tropa de Elite? Cidade de Deus? Ou será que foi Paraíso Tropical? Deixe sua opinião nos comentários.

15 comentários:

lueco disse...

bah, acho que a novela! :)

Anônimo disse...

Sabia que não podia ter dado essa opção.

P.S.: Quem é lueco? O Marco Loco?

Anônimo disse...

Ah, mais uma coisa que eu esqueci de comentar no post: a trilha do Tropa de Elite, que é praticamente um refrão, acho que funciona quase como um jingle da "campanha". Ele é tão poderoso que até a torcida do Flamengo já adotou como cântico de estádio.

tg

Clarissa disse...

Vi hoje Tropa de Elite, achei bom, mas bem diferente de Cidade de Deus. Não sei se dá para comparar os dois, Cidade de Deus tem aquela fotografia maravilhosa, trilha, tudo, é uma obra que abriu oportunidade para outras coisas como Cidade dos Homens e Antônia, é um filme bem mais estético, que tinha bem mais coisas pra provar, tanto que fez bastante sucesso lá fora e alavancou a carreira internacional do Fernando Meirelles. O Tropa de Elite é mais sujo, choca mais, assim como o Ônibus 174, do mesmo José Padilha, ele não tem tanta pretensão como obra cinematográfica, é só uma história que parece real. Concordo com a história do jingle, nem lembro se tocou outra música durante o filme, mas é impossível sair do cinema sem cantarolar o refrão. Quanto ao esquema da divulgação por cópias piratas ter sido friamente calculado acho meio difícil. Na real acho que Tropa de Elite veio mais pra incomodar do que pra agradar.

Anônimo disse...

Eu tava discutindo ontem com o meu pai. Acho que o Tropa de Elite tem um lance que é meio "ah, que bom se toda a polícia fosse assim". Porque a maneira como o Bope age, certo ou não, nos dá uma sensação de segurança. Nos dá vontade de torcer pelos "mocinhos". Enfim, acho a tua definição boa Ele veio mais para incomodar do que para agradar. S

Pinky disse...

O que mais fico pensando agora: serã que o filme teria gerado tanta expectativa, seria tão falado e discutido, se não fossem as copias dos bucaneiros?

Sinceramente, ate o momento eu não tive muita vontade de ver o filme, não me chamou muito a atencão. Filmes sobre a violencia no Brasil sao como o especial do Roberto Carlos: todo ano tem um. Me parece que sem esse boca-a-boca gerado, esse buzz todo, o filme poderia muito bem ter sido so mais um...

Anônimo disse...

Exato! É examente este o meu ponto! Tropa de Elite é tão chocante quanto Carandiru, por exemplo. E teve uma repercussão muito maior.

Clarissa disse...

Chocante foi ver o Rodrigo Santoro de travesti, hehe. O filme é bom, mas aquele rio de sangue correndo as escadas pós-invasão da polícia e as mortes meio encenadas demais não funcionaram comigo. Entre o filme e o livro, fico com o livro.

Marcelo Jung disse...

Bom, acabei de ver uma copia piratex (emprestada de um amigo) do TROPA DE ELITE.
Achei o filme bom. Só isso.
Cidade de Deus é um filme diferente, mas se for para comparar os dois, fico com Cidade de Deus.
Em TROPA o que mais me chamou a atenção foi a atuação do Wagner Moura.
O cara realmente destruiu como o Cap. Nascimento.
Alias, todo o elenco esta de parabéns, pois todas as atuações estavam excelentes.
Sobre o fenômeno de TROPA, é difícil falar.
Se foi uma ação planejada, os caras foram fodas, pois foi uma ação muito arriscada que poderia muito bem dar errado: ser um fenômeno de copias piratex e não levar ninguém aos cinemas. Porem acontece o contrario. Não vai durar muito tempo, e TROPA deve ser o filme brasileiro de maior bilheteria nos cinemas. Mesmo com toda a vendagem no mercado negro.
Acredito que Cidade de Deus conseguiu “inovar” muito mais que TROPA.
Tanto na estética, como na narrativa e trilha.
TROPA é um filme bem bacana também, mas que não justifica tamanha repercussão gerada no Brasil.

Abs

Anônimo disse...

urrum.

lucas disse...

Esse filme é mais uma prova de que brasileiro é corrupto, mesmo. Os mesmos que mostram os porcos incorrompíveis do Bope fazem parceria com o "tiozinho dos DVD" e faturam afu com a falcatrua. E vão lucrar ainda mais nos cinemas, depois de tanto alvoroço. São tudo uns malandro.
ISSO-É-UMA-VERGONHA.

anna disse...

Eu acho que cidade de Deus e Tropa de Elite, são praticamente a mesma coisa falando de partes da violencia na favela diferentes!
Porque no filme cidade de Deus eles falam muito pouco de policia, e na maior parte do filme, oque realmente se vê é o tráfico de drogas.Já no filme Tropa de Elite não,agente ve mais a ''atitude da policia''(oque na minha opinião so acontece no filme)para tentar acabar com o trafico de drogas, que o mesmo fica não como a imagem mais importante, mais sim a causa de todo o conflito!
No filme Tropa de Elite e no filme Cidade de Deus, eles tabem mostram, policiais que são corruptos, que recebem propina, e mais um monte de lero-lero.Eu concluo da siguinte maneira:todo mundo sabe que isso existe, mais em vez de se arrumar uma solção(oque eu concordo que não seja facil,á como)todo mundo assiste e acha que é um bom filme que mostra a realidade!!!
Mais oque esses pessoas que fizeram o filme e oque os governantes estão fazendo para acabar com esse situação?
Eu nunca vi uma favela de perto, porque sempre morei no interior da região sul, mais oque vejo pela teve me causa revolta!!!

jack disse...

Vcs tão loucos!
Cidade de Deus foi um filme tecnicamente melhor e mais bem produzido, contudo a mensagem trazida pelo tropa é muito mais significativa, chocante e incomoda muito mais a todos vcs q estão querendo tirar os méritos do filme, principalmente incomoda demais a classe média consumidora de drogas q tenta de todas as formas desmoralizar o filme e diminuir o seu valor. É um tapa na cara desse povo e a apanhar na cara incomoda demais. Tropa de Elite foi o melhor filme da história do cinema nacional pq trás conflitos q caíram como uma luva no atual momento em q vivemos e gerou discussões e reflexões nas mais diversas camadas sociais, coisa q o Cidade de Deus não conseguiu fazer. É o filme mais assistido da história e todo mundo viu o pirata e ainda vai ver no cinema pq é muito bom, se não fosse não tinha boca-a-boca q desse jeito.

"Dadinho? Zé Pequeno? É o C. ! Quem manda agora é o Cap. Nascimento p.!"

leticia disse...

Achei o filme bem montado, apesar de a cinematografia não ter nada de mais. E é por isso que Cidade de Deus continua sendo o melhor filme brasileiro de todos os tempos.

Maurício disse...

Assisti o Tropa de Elite hoje, mas baixei o piratex na net mesmo, apesar de muito atrasado. Me arrependi. Adorei o filme, não importa se a fotografia é isso, a trilha aquilo, o que me importa num filme é se é bom de ver, se me deixa interessado, vidrado na tela e se tem uma historia que vale a pena ser contada. Achei interessante a sua análise e os comentários (mas não tive tempo de ler todos) mas não concordo com o placar. Pra mim Tropa de Elite dá goleada em qualquer outro filme brasileiro do gênero, inclusive o aclamado Cidade de Deus. Este último pode ser o bam bam bam mas não me fez achar que o tempo voou, não me deixou vidrado e não estimulou tão bem tantas reflexões. Quem assiste o Tropa de Elite sai pensando. E muito, dá pano pra manga. Se o vazamento do piratex foi armado eu não sei, mas sinceramente não me importa. Acho que o sucesso do filme se deve à sua excelente qualidade, e somente a isto. Vendo o filme a gente fica com esperança e desespero, vergonha e orgulho do nosso país. Mas o filme tende mais para a esperança e o orgulho, a gente não sai deprimido do cinema (ou do quarto). E ainda nos dá oportunidade de pensar em pq torcemos para o bandido tomar o tiro no rosto no final do filme, pensando como somos brutais e como não podemos apontar o dedo aos outros e julgá-los. Questionando a ação violenta, não imaginando outra alternativa, e depois voltando a questionar. o Filme é show de bola. Todo esse zum zum zum em torno do filme tem fundamento. Fico feliz com o cinema nacional qdo vejo filmes assim. Espero que venham novos filmes nacionais que sejam tão interessantes quanto este.