Blog da Perestroika

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

O grande inimigo da inovação

Se tem coisa que qualquer neguinho que queira trabalhar com atividade pensante, criativa e inovadora precisa é tempo.

É fundamental ter tempo pra se envolver em todo o negócio da propaganda (no caso do mercado publicitário, óbvio), ler os jornais e revistas do setor, conferir o post do blog da Perestroika, acessar o BlueBus ou Brainstorm 9, passar o olho numa Archive, devorar um anuário, conferir a última campanha da Levis no YouTube, ver o DVDs da Shots com as apostas de Leão para Cannes.

Precisamos, sim, ter tempo para isso. Ok.
Deveria entrar na pauta de trabalho, inclusive.

Só que a página inicial do Safari (tá bom, Felipe, Firefox) de qualquer cara que pretenda fazer alguma coisa original na vida deveria dizer: tempo livre, tempo livre, tempo livre, tempo livre, nunca esqueça, tempo livre.

E este post é sobre isso.

Precisamos ter tempo pra passear com o cachorro. Pra ir no cinema ou passar a noite beijando. Pra almoçar na casa da vó no final de semana e rir o tio bêbado caindo na piscina. Ouvir muita música, ir a um museu ou exposição de fotos. Praticar uma luta ou esporte.

Precisamos ter tempo pra tomar um chimarrão na praça, pra jogar bola e para o churrasco semanal com os amigos que só falam de mulher e cerveja. Tudo isso é produtivo pra caramba, não se engane. Nem se culpe por isso.

É ótimo passar uma noite toda num bar e descobrir o sol nascendo, ir pra praia na quinta-feira, do nada, enquanto todo mundo está se quebrando na cidade. Como é bom quando nos pegamos conversando com o guarda da esquina ou com o gordo do ônibus como se não tivessemos mais nada pra fazer. Papo com taxista é rico e pensar que imagem uma nuvem está formando no céu também é um passatempo digno de quem não tem compromisso com mais ninguém que não consigo mesmo.

Dedique tempo a isso.

Pois são essas coisas que um dia virarão idéia. Está tudo na sua vida, na forma como você enxerga e processa isso. Quanto mais rico você for, mais valioso, exclusivo e único será o que sai de dentro de você.

Sem falar que fazemos propaganda para todos os tipos de pessoa e não apenas publicitários. Isso quer dizer o taxista, a sua vô, o guarda e até o seu tio. Sim, aquele bebum, ao menos cerveja garanto que consome.

Então além de estar abrindo a cabeça para novos insights, você também está estudando o brasileiro.

Sim, porque só quem cresceu e se deu bem mesmo com a correria dos executivos das empresas e publicitários e essa “vida para o trabalho” foram as empresas de pesquisas. Porque agora precisamos deles para nos trazer informações da rua, insights e referências.

Então, gurizada do barulho, uma coisa é bombar trabalhando, se mostrar sempre a disposição pra ajudar, entender que existem fases e fases, se esforçar de verdade e tal, e outra, bem diferente, é achar esse é o caminho pra ser punk. Isso faz parte, mas cuidado: você está empobrecendo.

14 comentários:

Pinky disse...

Mas é foda conseguir tudo isso quando todos os trabalhos são pra daqui a pouco, pra ontem. Quando os clientes pensam que agência é simplesmente um gerador de anúncios, que as idéias vão sair em dois minutos na frente de um PC, digo, Mac.

Bruno disse...

É só desistir de dormir, ora.
Ou ligar o foda-se de vez em quando.

Gabriel disse...

"É só desistir de dormir, ora."

Gostei do comentário acima.
Talvez não desistir de fazer isso,
mas quem sabe dormir menos nos finais de semana. Enquanto ainda dá pra manter um pique de poucas horas de sono é bem válido aproveitar tudo ao máximo. :)


legal o texto, profundo. vou pensar no assunto.

abraço!

Bruno disse...

Difícil é ter tempo pra ter tempo.

lucas m disse...

É isso aí.
Antes eu considerava a Archive, os Anuários, os Novos do ccsp. as melhores referências publicitárias.
Mas isso tudo é a visão de mundo de OUTRAS pessoas.
O negócio é as nossas percepções virarem boa propaganda.

Beto Galetto disse...

Já tô me sentindo o máximo só de conseguir ter parado pra ler esse post.. Engraçado terem publicado isso justamente na semana que eu mais tenho pensado a respeito desse assunto.

A falta de tempo é não é somente inimiga da inovação, como é da produtividade em geral. Neguinho que fica só na pauleira e não dá uma desopilada nunca vai render tudo que pode. De onde ele vai conseguir tirar boas idéias em um brain, ficando só na rotina trabalho-casa (onde se continua trabalhando)-trabalho?



Vamos queimar os flip charts e fazer uma revolução a favor das horas livres e da qualidade de vida :P

Maurício Antunes - epa!! disse...

Agora eu to com bastante tempo! :)

g!panichi disse...

Esse post veio no momento certo.

Eu já tava perdendo a perspectiva de algumas coisas...

Anônimo disse...

Mto legal, meu. Só tava meio sem tempo pra postar um comentário.

tg

Rech disse...

Acho que ser produtivo é o mínimo pra quem quer um tempo sem produzir.

Bruno disse...

uhum. E ter um tempo sem produzir é necessário pra ser produtivo.

leticia disse...

é o tal ócio criativo? hehehehe, nem li esse livro pois não deu tempo, hehehe...

sempre quando acaba o horário de verão, sinto a mesma cois: "putz! quando sair do trabalho já vai ser noite", daí o pensamento de "perdi o dia" vem à tona...

Let's.

Anônimo disse...

Perdi.

FA

caco disse...

afude