Blog da Perestroika

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

A Perestroika mudou minha vida.

Não é de hoje que eu me declaro à Perestroika. Mas não se preocupem que desta vez não vou encher a cara e mostrar minha barriga peluda (até porque encher a cara eu já fiz ontem e porque minha barriga aumentou desde o ano passado).

Sou um cara que não fechou nem um ano de mercado ainda - completo um ano de vida agora no finalzinho de fevereiro. Tou recém aprendendo a andar. E, como muitos de vocês, aprendi meus primeiros passos lá no Madison.

Mas tem aquela hora que a cria tem que andar sem a mão do pai. É aquele momento em que o cara tem que se virar com o que conseguiu aprender. Te vira, guri.

Foi assim no último projeto que entrei. Um job pesado que fez eu mudar de cidade, ficar longe da namorada e dos meus colegas de criação (isso é muito foda).

Virei noite e virei o manifesto do avesso: a merda de ter que encarar a folha em branco; a frustração de saber que o mais ou menos é menos; cair na real de que qualidade só vem com quantidade; comprovar que trabalhar com criação pode ser um saco. Ah, e comprar um Mac também.

Sem contar nos momentos de provação: "sou uma fraude, vão me descobrir" ou ainda de ir dormir e pensar "puta, esse trabalho não é pra mim".

E não era mesmo: foi um trabalho de equipe. Imersão total, daquelas em que o cara perde a noção de tempo (e também a inteligência emocional). Foram vários "tínhamos" até chegar no "temos".

Mas e daí? O temos só é temos depois de ir à prova. Então, ontem, pela primeira vez na vida, fui numa reunião com o cliente.

Porra, pensei, se eu já não falo em reunião na Live, imagina se vou falar nessa com o cliente."

Fui e foi como eu pensava. Acompanhei tudo que nem cachorro que quer agradar o dono, mas que tem medo de apanhar. Com aquela sensação que a gente tem na primeira aula da Perestroika: não conheço esses caras, sei que eles são foda e certo que eu vou falar merda.

E acabei não falei nada mesmo. Até porque, apesar de dar pro gasto, meu inglês anda meio enferrujado. Sim: em menos de um ano de mercado, tive uma reunião totalmente em inglês com um cara daquela marca que o Márcio odeia. Uma reunião com a Nike, onde a proposta criativa, além de um sorriso, ganhou um "that's exactly what i wanted".

Precisa mais? Porra, guri quase chora com isso.

Depois disso, foi só baixar o espírito do Yeltsin e continuar seguindo o manifesto: beber várias, até porque, como vocês devem ter aprendido, a quantidade faz a diferença.

Obrigado, czares.

Vinicius Facco
Criativo Live

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

O post acima é, na verdade um e-mail que eu recebi do Facco ontem à noite, após uma apresentação para um cliente da Live, onde o Facco e eu trabalhamos. Uma apresentação para a Nike.

Para o Gerente de Comunicação de Marca da Nike no Brasil

O Facco foi aluno da primeira turma da Perestroika. Se formou em julho de 2007.
Teve grande destaque na turma. Foi um dos indicados e, de lambuja, ganhou o Prêmio Boris Yeltsin, com um trabalho destaque. Entrevistei o Facco e trouxe ele para a Live.

Ontem, me senti muito emocionado de duas maneiras, pela Live e pela Perestroika, por ter recebido este e-mail. Dividi com o Tiago, o Rafa e o Márcio, e a emoção deles foi a mesma.

A gente discutiu muito para saber se a gente pedia pro Facco transformar o e-mail em post. Mas uma das coisas que sempre quisemos na Perestroika, e expressamos isso aos alunos continuamente durante as aulas, é que a gente quer que a Perestroika represente uma mudança na vida dos nossos alunos. Que as pessoas sintam que sairam diferente do que entraram. E esse texto do Facco é um retorno real de que conseguimos fazer isso.

Então, decidimos postar.

Sem arrogância. Sem querer ser vendedor. Sem pensamentos comerciais. Sem "se achismos".

Postamos porque acreditamos que a verdadeira propaganda, a comunicação que funciona, como dizemos em aula, é feita com muita verdade e muita paixão.

E verdade e paixão, como você vêem, não falta na Perestroika.


Vinicius Facco não cursará Criação II. Ele está morando em SP.

14 comentários:

esther disse...

Favor trocar o pronome "ele" na legenda da foto por "Filhodaputa"!

que AFUDÊ!!!!!!

Anônimo disse...

eu quase choro vendo isso.

tg

perestroika disse...

Vendo o que? Mulheres falando palavrão?


Hehehehe

Leticia disse...

eu acahava o Facco bonitinho... até ver essa foto!

BRINCADEIRA!

falando sério, parabéns guri!

Let's.

Gabi Elias disse...

Bah,
quase chorei também.

E apesar de não conhecer mto o Facco, imaginar ele queto é bem estranho. Hahhaha.

M. Morem disse...

"eu acahava o Facco bonitinho..."

O que não faz um Bóris, ein?!

Até eu to gatão.

leticia disse...

"o que responder pro michel?"

mmm... (pensando)

ná, melhor deixar no vácuo...

BRINCADEIRA!

falando sério, eu sempre achei o michel... LEGAL! hehehehehe...

Let's.

mcallage disse...

Queridão! Fico orgulhoso.
Até com mais simpatia pela Nike eu estou.
:)

Abrs, M.

M. Morem disse...

uashuashduahsduashdsa

g!panichi disse...

Acho que nem um Prêmio Nobel consegue isso.

mariana disse...

que afude!!!!
parabéns!!!

Anônimo disse...

Mas bah guri... Parabéns tchê e aos czares! São Paulo é bala. Abrs
Tronquini

Bárbara disse...

Parabéns Facco!
É isso aí!

;)

Schossler disse...

Mas é um merda mesmo!

=D



Parabéns, Facco!