Blog da Perestroika

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Um texto solto sobre a Perestroika e seu momento atual.

Nesta última 4a feira participei de um debate do CJC, junto com o Leo Prestes e o Israel. Me identifiquei pra caralho com o Leo quando ele disse que tinha largado a redação porque ou ele acompanhava as mudanças do mundo da comunicação e ia trabalhar em uma agência digital, ou continuava fazendo o seu (belo) trabalho do dia-a-dia, mas que não estava conectado exatamente com o que teremos que fazer no futuro.

Foi exatamente isso que me levou pra Azaléia/Olympikus há 3 anos. Uma mudança radical pra alguns, mas que eu afirmo: fui atrás de um sentimento, de que lá do outro lado do balcão poderia criar mais. Como cliente eu poderia ter a minha disposição TODAS as ferramentas da comunicação e do marketing. Poderia experimentar tudo. Testar. Bastava continuar tendo idéias e contratar qualquer empresa que fosse me ajudar a fazer o puta trabalho acontecer. De sobra eu acabaria SEMPRE atualizado.

Vejo que acertei. Tanto que a maior experiência que tive de comunicação na Olympikus não foi um anúncio, um filme, nem uma estratégia viral: foi o patrocínio do Pan e o projeto de concepção dos uniformes que o Brasil usou no Rio de Janeiro e vai usar agora nas olimpíadas. Tanto que o Israel, que hoje faz games, já está concluindo o segundo puta projeto para a Olympikus, todos eles aprovados antes da Aquiris ser finalista em Cannes ou alguém falar que games na internet era o futuro/tendência ou qualquer porcaria dessas (por sinal, Israel, quem te indicou pra Cubo, agência da Axe?). Nunca teria participado disso tão diretamente através de uma agência. Ao mesmo tempo, a vida do outro lado do balcão também me ajuda a não cair em deslumbre pelos modismos ou novidades: o game da Aquiris é fantástico. Mas é o Fantástico da Rede Globo que vai levar o consumidor pro site para jogar. Acredite: um filme na Globo é UM FILME NA GLOBO.

Corta.

No meio disso tudo, a Perestroika nasceu. E cresceu. Primeiro como escola de criação. Depois, quando vimos, éramos mais do que isso: uma escola que tinha forma criativa nas aulas. Não queríamos mais formar e ensinar com muito tesão apenas redatores e diretores de arte. A idéia por trás, que só descobrimos depois, era de usar as idéias e formatos criativos para ensinar. Tudo. Era isso que estava latente. Nossas aulas de criação 1 e 2 eram apenas a ponta do iceberg.

Lançamos, então, há 6 meses, o curso de Gestão de Contas. Turma lotada em 3 dias. Nós dando aula? Não. E foi assim que desenvolvemos um modelo de negócio realmente inovador. Abrindo a empresa para todos que viessem a agregar. Essa idéia deu certo? Você responde. O fato é que com pouco mais de um ano, a Perestroika já é outra, e em agosto estão aí 4 novos cursos: Internet, Design, Consumidor e Som. Mais um projeto com a PUC. Mais um projeto com a ARP. Sem falar no Photoshop, que já está na segunda turma. Tudo com pessoas que só nos encantam: o Marcelo Quinan, da Ag2; a Carol D'Avila, da Bendito; a Carla, Dudu, Rony, etc, da Box, o Edu Santos, da Ipanema e Loop; e o Greg, da DCS.

Será que o Felipe e o Tiago, saindo das agências, estão "saindo do mercado"? Ou será que a Perestroika não pode ser "o novo mercado"? Será que uma agência de propaganda vai ser do jeito que é hoje em 10/15 anos? Porque faz exatamente 58 anos que ela é assim e garanto: os meios de comunicação mudaram neste período. Alguém duvida?

Outra coisa: mesmo que os dois viessem "só" a ensinar: é no Brasil que isso significa ficar desatualizado. Nos Estados Unidos, por exemplo, os cabeções TODOS estão desenvolvendo trabalhos inovadores nas universidades. É lá que surgem as inovações. É lá o local de experimentação. Ou a MIT tem a fama que tem por nada? Ou Harvard é mesmo careta e as pessoas só estudam lá por causa do diploma e os professores são uns bostas?

Nós estamos vibrando com as novidades. Se fizemos tudo isso em reuniões das 19h às 3h da manhã, imagina agora? Enfim, estou orgulhoso e feliz que tenho dois amigos-sócios que agora vão se dedicar a pensar diferente e cuidar exclusivamente deste projeto que gostamos tanto. Que vão correr atrás das novidades. Do que está surgindo, do que é fresco. Novo. Que vão fazer acontecer muitas idéias que ainda estão no papel pela falta do desgraçado tempo. As oportunidades estão aí. E nós vamos correr para aproveitar.

Aos alunos, tenham certeza: se mudar alguma coisa, é para melhor. Aos amigos, que apoiam e torcem: sim, está dando certo, obrigado pela força de sempre. Aos curiosos metidos, palpiteiros de plantão, eu digo: aguardem.

No fim, acho que era só isso mesmo que eu queria dizer.

14 comentários:

Tiago Mattos disse...

Tu é bom, velho. Tu é bom.
tg

Israel Mendes disse...

Hahaha. Então tá.

Vou contar uma história aqui nos comments da Perestroika sobre o Márcio. Merecia um Post na minha opinião, mas vamos por aqui mesmo que a audiência também é grande!

Eu trabalhava na DCS, era estagiário. O Márcio, havia poucos meses, tinha migrado pra Criação. A DCS debutava. A festa de 15 anos foi no Country. Houve um amigo secreto da agência inteira.

Coincidência (ou não): quem eu tirei no amigo secreto? Márcio Callage.

Não lembro o presente que dei. Tinha valor mínimo e máximo e essas coisas... O fato é que eu lembro o que escrevi no cartão que foi junto com o presente. Entre outras mensagens positivas, dizia algo assim:

Márcio. Um grande sobrenome tu já tem. Continua lutando pra ter também um grande nome.

Missão cumprida, hein! Ou melhor, em pleno cumprimento, a julgar pelo post anterior, por este, pelo evento de ontem, entre outras demonstrações!

Valeu, rapaz. Tu não deve te lembrar disso, mas eu sim. É como eu sempre digo: os mocinhos têm que vencer no final.

Ah, a saber: uma das políticas empresariais da marca mais valiosa do mundo, o Google, é o de ser uma puta empresa mas sem perder o caráter universitário. Por universitário entenda-se o de experimentação, aprendizado e troca. Ou seja, de escola. Tudo muito parecido (porém revisitado) com os tempos de sala de aula e de duelos intelectuais entre o Brin e o Page. E é a empresa que é...

Mais uma vez boa sorte, Perestroika, no novo momento.

leoprestes disse...

Tudo isso (pessoas mudando de ares e dividindo o que aprenderam no CJC, empresas novas e criativas surgindo na raça, a Perestroika crescendo sem parar e ajudando a gurizada a começar sem aquele pensamento padrão Archive de outrora) é a melhor coisa que eu vi acontecer no mercado desde que comecei, lá por 97.

Tenho certeza que a coisa não vai parar por aí.

abração!

Marcio disse...

Israel, amigo, lembro sim, claro :)

Leo: é uma honra que estejas no time!

Marcio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marco Bezerra disse...

Vocês são todos fudidos. Parabéns. Estou acompanhado cada novidade.

Carolzinha. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tiago Mattos disse...

Aí, Marco. A gente tá só esquentando a cadeira pra quando tu voltar. Heheh.

Gabriela Souza Gomes disse...

Tá. Me convenceu! ;)

Gabriela Souza Gomes disse...

Aliás, quem me deu a notícia do Felipe e Tiago assumindo integralmente a Perê foi meu pai, que acompanha esse Blog mais do que eu! =P

Lucas M disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucas M disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucas M disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucas M disse...

Fiz Perestroika e minha criatividade passou dos limites.